Giro d’Italia: Ewan vence na despedida do Landismo

Num dia finalmente marcado pelos raios de sol foi Caleb Ewan (Lotto – Soudal) que levou de vencida a quinta tirada da 104ª edição do Giro de Italia que ligou Modena a Cattolica numa extensão de 177 quilómetros. Giacomo Nizzolo (Team Qhubeka ASSOS) ficou em segundo lugar e Elia Viviani (Cofidis, Solutions Crédits) fechou o pódio.

A primeira fuga do dia foi composta por dois ciclistas habituais neste tipo de andanças: Umberto Marengo (Bardiani – CSF – Faizanè) e Filippo Tagliani (Androni Giocattoli – Sidermec), eles que repetiram a fuga que protagonizaram na segunda etapa desta edição. Na passagem pelo sprint intermédio em Imola foi Tagliani que levou de vencida numa disputa ao sprint mano-a-mano com Marengo. No pelotão o primeiro a passar foi Fernando Gaviria (UAE – Team Emirates). Depois desse sprint intermédio a fuga foi anulada, faltando ainda 106 quilómetros para o final da etapa. A 68 quilómetros dá-se nova fuga, sempre bastante controlada por parte do pelotão, com: Simon Pellaud (Androni Giocattoli – Sidermec) e Davide Gabburo (Bardiani – CSF – Faizanè), curiosamente dois ciclistas das mesmas equipas que anteriormente estiveram na primeira fuga do dia. No segundo sprint intermédio em Savignano sul Rubicone foi Gabburo o primeiro a passar, sendo um sprint sem disputa, com Pellaud na sua roda, sendo que no pelotão o primeiro a passar foi Filippo Fiorelli (Bardiani – CSF – Faizanè). Antes de serem alcançados pelo pelotão, a 21 quilómetros para o final os dois ciclistas obtiveram a companhia de Alexis Gougeard (AG2R Citroën Team), antes de serem alcançados já a menos de cinco quilómetros para o final.

A quatro quilómetros para o final dá-se uma queda violenta na parte de trás do pelotão com Mikel Landa (Bahrain – Victorious) a ficar em muito mau estado no chão e que levou ao abandono do ciclista espanhol, evacuado do local da queda por uma ambulância, sendo este mais um infortúnio na carreira do ciclista ‘vasco’.

Relativamente à armada lusa, Nélson Oliveira concluiu a etapa em 19º sendo o melhor português e subindo a terceiro na geral. João Almeida (40º) e Ruben Guerreiro (95º) chegaram integrados no pelotão.

Tiago Ferreira

A acabar a licenciatura em Engenharia de Sistemas no Instituto Superior de Engenharia do Porto, passou a fazer parte da PCM em finais de 2020. Ávido fã de qualquer tipo de desporto desde curling, passando pelos desportos motorizados, até ao ciclismo. É neste último na qual reside a sua maior paixão, uma paixão que já vem desde os ínicios do século. A paixão é tão grande que tenta acompanhar todas as provas possíveis e imaginárias. Atualmente, os seus ciclistas favoritos são Alejandro Valverde e Wout van Aert. O Tiago escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.